quarta-feira, 25 de novembro de 2015

[4ª Poética] Contra o tempo - Barbara Sanco

Contra o tempo


Aqui os relógios não fazem tique-taque.
Muitos não fazem nenhum barulho.
São contadores mudos,
de línguas arrancadas pela Era digital.
Não há romantismo nesses visores fosforescentes.

Então olho para o tempo pela janela.

Brinco de adivinhar as horas,
olho o caminhar lento do Sol,
e quando a Lua vira protagonista
gosto de ver tudo virar nuance
e observar as faíscas a iluminar os casulos
de dois e três dormitórios.

Amanhã as abelhinhas os abandonarão novamente
para serem as boas operárias da Rainha.

E eu...
Eu sigo sendo Quixote
sem lança,
sem escudo,
sem cavalo,
brigando contra moinhos
de ditas invencíveis pás.

............................

Cordialmente,

Bárbara Sanco

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Biografias Reais] Escritor José Saramago

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com