domingo, 29 de novembro de 2015

[Súmula de Domingo] Jogos, dão sorte ou azar? - Ana Cristina


As loterias surgiram no mundo a partir dos povos hebreus, egípcios, hindus, chineses e romanos.
As loterias são jogos de azar bastante populares que têm como base o sorteio aleatório de prêmios.
Fonte: http://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/a-historia-das-loterias.html



  Há tempos que o homem procura tesouros. 
Desde os primórdios, quando a nossa casa era tão bruta quanto o nosso conhecimento, que procuramos por enriquecimento através do desconhecido, do imaginário. Aliado a essa vontade inerente, da busca incessante em subir ao pódio antes que qualquer outro, está a disputa. O homem disputa qualquer coisa com outro, disputa o parceiro, um lugar de ascensão na empresa, faz jogos legalizados e os ilegais também, desde que ele esteja em plena atividade, inserido na sociedade, sempre haverá uma disputa.
 Passamos da fase de pré-históricos, mas continuamos nas cavernas. Fomentando essa prática de competição, entram os jogos no cotidiano destes seres contemporâneos, mas de onde vem essa vontade em buscar tesouros? Porque não nos contentamos com o que temos e ou trabalhamos para obter as moedas necessárias para saciar as nossas vontades? A resposta talvez seja tão antiga quanto a nossa própria existência.
Estamos em dias em que a notícia é assustadoramente presente e instantânea e são elas tantas vezes de barbáries e que nos mercados não sabemos mais o que ou onde está mais barato tal produto e ou no que podemos confiar em comer e oferecer aos nossos filhos para que não cresçam obesos por conta de açucares e sal, conservantes dos alimentos, que, buscamos nestes elementos de disputa, uma forma de fugir deste emaranhado de coisas. 
É um alento pensar que amanhã estará rico, milionário e que poderá ajudar fulano e ciclano. Se a conversa a respeito dos jogos ou de quem ganhou o jogo passado, ou o que ele poderia comprar com o prêmio e só fato principal de este não precisar trabalhar nunca mais na vida, se toda essa conversa acontecer numa roda de amigos onde cada um sabe mais que o outro, porque está presente a inerente vontade de buscar enriquecimento, melhor, muito melhor.
E desta rodada de amigos surgem os prováveis ganhadores que de repente viram Madre Teresa de Calcutá com o dinheiro que nem sabem onde irá parar.
Há um frenesi. 
Há uma esperança. 
Há uma continuidade e 
Há mil sonhos sobrepostos nas apostas das loterias.
No momento da marcação dos números, há uma lista de coisas e pessoas necessitadas de tantas e tantas precisões que as imagens vão se projetando nas mentes como a lembrar-se de um passado bem distante.
Construímos nossos castelos de números e de sonhos e neste delírio, nesta Estrada de Tijolos Amarelos, nos encontramos eu e você porque o momento é mágico.
Talvez uma ou mais pessoas, hoje, tenham amanhecido abastadas. Para nós que ficamos à espreita espiando os números, nos encolhemos, descemos do pedestal, fazemos a contabilidade para saber quanto gastamos com os vários jogos jogados na semana e nos preparamos para sonhar novamente na semana seguinte. 
Boa sorte a todos.

  Ana Cristina.


Share:

2 comentários:

  1. A mesma vontade de enriquecer hoje foi a de ontem e de alguns anos atrás, mas parece um sonho impossível, mas só ganha quem joga!

    ResponderExcluir
  2. A mesma vontade de enriquecer hoje foi a de ontem e de alguns anos atrás, mas parece um sonho impossível, mas só ganha quem joga!

    ResponderExcluir

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Sofro em teu olhar - Robson Lima

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com