domingo, 27 de março de 2016

[Súmula de Domingo] - Humanidade na Páscoa, seus símbolos e significados – Ana Cristina.


Hoje não falarei de filmes, falarei de humanidade.
Eu não quero falar do óbvio, do que todos já sabem, que a Páscoa é uma festa importante do segmento cristão, também não quero falar da quaresma que é o período de abstinência de práticas comuns, período de jejum e penitência que se inicia na quarta-feira de cinzas, também não quero falar de como o coelho que não põe ovos é o símbolo da páscoa por sua fertilidade considerável, também não quero falar da prática de se confeccionar ovos de chocolates e escondê-los para que as crianças os encontrem dando uma ar de brincadeira gostosa.
Quero falar sobre o significado intrínseco da festa como a solidariedade, a reflexão, a dádiva, o amor e a liberdade. E sobre aqueles que não sabem o significado de tudo isso e apenas comem exageradamente e consomem artigos supérfluos de igual tamanho. Vamos falar de crianças morrendo de fome, de comida, de carinho, de teto e de escola. Vamos falar sobre o que podemos fazer para aliviar essa fome generalizada pelo mundo.
Vamos falar e sentir-nos entristecidos quando eu, de posse do meu ovo de páscoa gigantesco, faço com que minha boca se encha d’água por já saber o gosto e o sabor do chocolate e neste breve momento eu paro com o pedaço dessa iguaria a poucos centímetros dos meus lábios e fecho minha boca. Não, eu não vou comer nenhum pedaço. Eu sei que bem ali, a alguns passos da minha casa, do meu bairro, tem uma criança que não tem o trivial alimento brasileiro considerado primordial para o crescimento de uma criança saudável, o arroz, feijão um pedaço de carne e legumes. Este alimento não precisa ser sofisticado, ele precisa ser de boa qualidade e simples, mas ele tem que existir e quem sabe nas festas nacionais além desta comida saudável, ele ganhe também a sua parte.
Façamos uma festa diferente. A comida esta escassa e onde não está, seu custo é alto, a água está minguando e onde tem em abundância, o desperdício é exacerbado. Poremos em prática a partilha, a multiplicação.
O que deverá fazer? Não, eu não estou aqui para dizer o que deverá fazer, mas estou aqui para alertá-lo sobre a humanidade desenlaçando os bons sentimentos.
Estou aqui, e assim como você, preciso desamarrar meus preconceitos, atravessar a fronteira do sossego e do conforto, dar o primeiro passo e ir. Ir de encontro ao ser que me aguarda de olhos cabisbaixos, de mãos enegrecidas de poluição, esquecidas de água límpida, pés descalços e esquecidos de sapatos, de fome animal esquecida de etiqueta, de uma mente esquecida de humanidade.
Depois de feita todas as reflexões e boas ações, desejo-lhe uma boa páscoa.
Por: Ana Cristina.


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Biografias Reais] Escritor José Saramago

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com