quinta-feira, 5 de maio de 2016

[Poema] Tente Encontrar a Terceira Margem - Rynaldo Papoy

 
Formas
de vida
e de morte ilusória.
Ilusória.
Tanta ilusão chega à loucura.
Quando não encontra a minha barreira...
Razão
Tão boba.
Reverto a razão para a
realização.
Presente.
Que é um respingo do passado
e do futuro
formando uma nuvem radioativa
destruindo minha
minha
minha criancice.

Tempos animais,
Tempos animais começaram a fervilhar
patos.
Patos?
Não sei quando, sei lá:
Mas depois e muito depois depois
- e depois das dores -
lã de ovelhas!
Lã de ovelhas nas alergias de sons... sons... sons...
Que não passam de barulho.
É,

para onde vou,
sem esperança nem filmes,
nem festivais estivais de
Vaga-Lumes
que não economizam energia
por serem patriotas.
Nojento
verme rasteiro e nojento
que é essa vida débil mental de i
magens -
na terceira margem do rio estou te esperando!

Venenos
me dê para beber [os diferentes]
para que eu te esqueça
até o momento de ter certeza.
Eu sei que você me ouve.
Eiu sei que você lê o que escrevo.
Não adianta fingir que não ouve ou liga.

Liga...
Descubra um telefone onde eu esteja,
veja na lista,
deve haver alguma coisa.
Pra quê?
Oh, que clichê mais besta.
O que faríamos nesta segunda-feira?
Talvez dormir junto.
Dormir mesmo, com os olhos fechados.
E meus olhos

estão substituindo todos os meus
outros sentidos.



Olhe para mim de verdade!




Rynaldo Papoy

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Sofro em teu olhar - Robson Lima

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com