domingo, 10 de julho de 2016

[Súmula de Domingo] A Minha Televisão – Ana Cristina

Se acontecesse há alguns anos, não muitos, uns dois anos atrás eu diria que estaria gritando aos quatro cantos do mundo. O meu objeto de entretenimento, o principal da casa diga-se de passagem o foi por décadas, tinham por ele um amor incondicional, por sê-lo parceiro nas horas de solidão, eu tinha também, se o deletassem, se restringissem a ele somente o status de objeto e não de amigo, confesso, eu daria um chilique. Na minha casa ainda tenho os tais objetos, porque digo isso, porque não tenho TV digital, calma não me ponham em forca ainda, preciso explicar a mudança dos fatos. É que o meu amigo no melhor gênero, a minha amiga televisão infelizmente deixou de ser e de ter, na primeira instância, ela foi trocada por essa janela, Windows que na melhor das hipóteses me oferece muito mais do que pode ser visto através de uma janela, pois através dela escrevo e sonho e os conduzo ao mundo encantado da internet que nada mais é que o universo, então entretida com as ofertas universais, fui deixando de lado a amiga, não a abandonei, ela ainda é minha companheira de muitas horas eu a adoro. Gosto de suas cores, das opções que me proporciona de canais, mas ela é uma conselheira, das horas em que me fartei, ela me acolhe com o seu aconchego de sempre.
Minha TV está convalescendo, fará parte de um museu cujos objetos pesados, pensados, funcionais ainda o são, mas que tiveram seus dias de estrelas substituídos por outros magrinhos, leves às vezes nem tão funcionais assim, mas que ocupam menos espaço e se adequam às regras da troca e da substituição. Minha TV está gritando um recado todos os dias, está em contagem regressiva e eu acompanho essa angústia, com pesar, cheia de reflexões e questionamentos e não posso fazer nada para salvá-la, até poderia, mas neste caso estaria eu ancorada a um outro objeto e em meio a fios e antena e ... enfim, eu a mantive enquanto pude.
No final do ano estarei sem ela e talvez sem a sua substituta, não sei, ainda preciso acostumar os olhos a este novo mundo de cores e muito brilho, às caras de plástico e perfeição.
A minha TV é bem pesada e tem uma traseira enorme, sentirei um grande vazio no quarto.....
Ana@Cristina.
Capital Inicial - Eu adoro minha televisão.





Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Sofro em teu olhar - Robson Lima

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com