quarta-feira, 19 de outubro de 2016

[COLUNA: FIO DENTAL, CIGARROS E TRAGOS] Uma dose de whisky e hobby de seda


FIO DENTAL CIGARROS E TRAGOS. COLUNA.

Por LOPES, Marianna
Carioca, 23.
Escritora.

Uma dose de whisky e hobby de seda

Ele chega cansado demais de outro exaustivo de trabalho. Faz o mesmo ritual de sempre mecanicamente. Bate a porta ruidosamente, tira os sapatos e os joga num canto por ali, retira as meias e solta um gemido de alívio exercitando os dedos e o restante dos pés, joga o molho de chaves em cima da mesinha, coloca a pasta de couro marrom e o paletó azul marinho em cima do sofá e vai em direção ao bar.
Quatro pedras de gelo e Ballantine’s. Duas voltinhas e a bebida ainda nem parou de girar, mas já dá o primeiro gole. Olha o vizinho assistindo aos Yankees2, pela janela; ouve latidos ao longe na rua silenciosa e desliga a luz. Hora de finalizar o dia subindo as escadas e escutando as últimas sobre a queda do dólar, enquanto se banha. Mas hoje a rotina lhe parece insuficiente e a vida, muito parada. Um tanto quanto vazia e monótona.
Na sala de jantar, deposita o copo na mesa de madeira sem se importar em queimá-la. Larga-se na cadeira, pernas esticadas, mãos cruzadas atrás da cabeça e fica observando o nada. A claridade entrando pelas brechas da persiana. Sente seus dedos lhe subindo as costas, as unhas roçando em sua nuca e chegando à ponta dos cabelos. Ela abre e fecha as mãos em seus ombros. Ele suspira, relaxando. Segura seus braços e a faz passar para seu lado. Leva o rosto e o alisa em seu hobby de seda vermelha, tira o nó mal feito do cinto e beija sua barriga. Mordisca de um lado a outra na linha acima da borda da calcinha sentindo sua renda roçando no queixo.
Ele tem seu peso em suas pernas. Ela pega o copo e toma o último gole do whisky. Ousada; ninguém toma no mesmo copo que ele. Ainda mais daquela bebida que ele mais gosta… E ela bem sabe. Ele fita sua boca repuxada num largo sorriso cheio de sugestões e retribui com outro preguiçosamente cafajeste. Ela abre sua camisa vagarosamente olhando para baixo; talvez para sua aparente ereção só de estar em sua presença. Ele acaricia suas coxas dando leves apertões próximos às virilhas e os joelhos. Ela envolve seus olhos com uma venda que retira do lado esquerdo da calcinha e se lança em cima dele para amarrar suas mãos atrás da cadeira. De calça aberta, ele sente o calor de seus seios e seu tronco enquanto tem sua língua lhe passando pela orelha. Ela usa as unhas novamente e a boca, arranhado entre os pelos do peito e chupando seus mamilos.
Ele está com garganta e a língua secas. Cheio de uma louca vontade de não apenas beijar os lábios entre as pernas dela. Ouve um tilintar e depois… gelo em seu corpo. A sensação é prazerosa. Uma leve ardência por seu corpo quente em choque com o pedaço congelado e a sua língua lambendo aquela água pela superfície de seu pescoço e ombros. Ela pega outra pedrinha e chupa a ponta de pênis. Agora a sensação é de dormência à medida que água escorre pelo membro até os testículos. Ela repete com as outras duas restantes no copo e começa uma sessão oral que o leva a loucura de mãos atadas querendo se soltar e agarrá-la pelos cabelos. Mas se contentava em sibilar e chamar seu nome, que lhe soou extremamente peculiar no meio daquela sala vazia na casa antes sem sons.
E ela, de repente, para quando ele começa a pulsar e pulsar e pulsar… Fica nua e o deixa ver de novo. Desata suas mãos e ele não se demora na pegada. Agarra-a pela cintura, vira-a de costas e a encosta na mesa. Puxa seus cabelos de maneira a deixá-la com o ouvido encostado em sua boca e então diz: “Minha vez de brincar com você agora”. Ela se vai se abaixando voluntariamente e se apoia nos cotovelos. Ele introduz-lhe o pênis sem cautela e com violência. Ouve-se o som dos músculos de suas coxas batendo contra os das nádegas dela e a madeira rangendo e os pés da mesa arrastando-se no chão. Ela se sente invadida, violada… E como isso lhe agrada. Ela geme quando ele lhe agarra e lhe aperta os seios e investe em fortes estocadas.
Ela, agora deitada, tem suas pernas levantadas e os pés se cruzam em sua nuca. Ele veste o pênis com as carnes de sua vagina que se contraem e se relaxam e vez em quando lhe beija os joelhos e lhe dá uns tapas na coxa, nas nádegas e na cara.
Em sua boca, ele sente o gosto do líquido dela depois que irrompe da vagina e o espalha com a língua pelo clitóris e os lábios. Ele a faz ajoelhar-se e se agarrar a suas pernas e assim permanecer até que ele acabe. Masturba-se com ela mordendo os lábios, esperando ansiosamente.
E finalmente libera a porra por todo seu rosto e ela se lambuza e lambe e lhe chupa a cabeça do membro.
Ele desperta. Em pé no bar. O gelo derretido aguando o whisky. Aquilo lhe irrita um pouco, porém não se detém em voltar seu pensamento para aquela mulher que tinha por costume visitar seus sonhos. Ele a havia visto apenas uma vez, cruzando a rua. As longas madeixas ruivas em camadas pendendo até o meio das costas, os olhos escondidos pelos óculos escuros grandes, pernas e braços muito brancos compridos, os lábios envolvendo a borda do copo da Starbucks3. Bastou parar no sinal e vê-la atravessar no meio do caos do trânsito infernal da velha e boa Nova York e nunca mais se esqueceu daquele rosto. Ele a queria, a desejava. Sua boneca de luxo para que pudesse morrer nos prazeres que ela lhe daria e fazê-la lambuzar-se dos prazeres que ele queria e, com certeza, iria lhe dar.

Mas só o que ele pode fazer é ir de degrau em degrau ao quarto. Relaxar num banho quente, lembrando-se do vislumbre de sua face de porcelana e esperando por sua visita enquanto estivesse de olhos fechados e consciência anestesiada.

Até a próxima quarta.
Share:
Local: Rio de Janeiro, RJ, Brasil

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Versos da alma

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Versos da alma

Versos da alma

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de domingo] - JOGOS DA MASSA – Ana Cristina

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com