domingo, 2 de outubro de 2016

[Súmula de Domingo] Fases – Ana Cristina


Ontem observando as crianças que brincavam em um pula-pula, numa festinha de aniversário, entrei em transe, olhei não só para elas, olhei através, entrei no mundo infantil que ria, gargalhava, caia, acenava, chorava, reclamava, levantava, pulava e sorria novamente. Ali naquele pequeno espaço, naquela redoma, havia um universo inteiro de conhecimento, tive o privilégio e permissão de atravessar por um milésimo de segundo o campo invisível, e eu percebi e me envergonhei mediante o ensinamento infantil.
Neste mundo indecifrável do qual fizemos parte um dia, do qual fomos retirados sem percebermos, há um código, uma fala, um olhar bem peculiar que só tem acesso aqueles seres pequeninos, infantis e enigmáticos. Nós atravessamos a barreira invisível da fase, fomos retirados dela, deixamos para trás todos os exercícios e conhecimentos, fomos postos em uma outra caminhada, tivemos que desaprender e aprender, iniciou-se uma outra etapa, onde não éramos mais crianças, mas também não éramos adultos. São elas tão bem definidas, eu as pude perceber numa noite. De um lado este mundo cheio de códigos e tão simplório, onde nele não cabe distinção de espécie ou esfera qualquer, vi classes diferentes atravessarem a barreira porque só elas, as crianças, tem a chave e vi o quão podemos aprender com elas, que se olham despidas de qualquer coisa e se veem crianças e pronto e ponto, pude ver também a fase de transição da vida, uma adolescente entediada em seu mundo virtual interagindo com seus afins, digitando os seus códigos e olhando tudo o mais aqui fora, um mundo perdido para ela, vi o meu mundo o mundo adulto sofrido , tenso, preocupado, crítico, preconceituoso, desconfiado e estranho, onde segmentos familiares sentaram-se cada um no seu quartel e se guardaram em suas carapaças, não há permissão de entrega nem de sorrisos, pois você não tem, não é, e não sabe, essas coisas de desníveis sociais, intelectuais e blá blá blás que nos separam uns dos outros, um avesso do mundo infantil.
Perdemos a oportunidade de interação e nos envergonhamos disso.
Um dia quando eu for criança novamente, e isso irá acontecer, eu quero esquecer esta fase adulta, esta que me confere poucas alegrias, eu quero um pula pula em cada esquina, então sorrirei a valer, haverá é claro uma barreira invisível, haverá o meu código, aquele que, quando eu olhar para você e enxergar a mesma estrutura, as mesmas marcas de vida, eu o identifique, sua passagem será mágica então nos daremos as mãos, pois haverá um outro mundo a nossa espera do qual ninguém jamais pode ou poderá abster-se, mas é só uma etapa.
Ana Cristina da Costa.

Créditos da Imagem: Google
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Versos da alma

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Versos da alma

Versos da alma

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de domingo] - JOGOS DA MASSA – Ana Cristina

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com