quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Nunca diga nunca - Bruno Leal


De um lado, um time há 68 anos sem título. Do outro, um time com mais de 100 anos de seca. 108, para ser mais exato!
Nesse meio tempo, a humanidade teve duas guerras mundiais, duas grandes crises econômicas, inúmeras crises políticas, e muita história.
No esporte: Jesse Owens, Cleveland Browns, Maracanazo, Pelé e Garrincha, Seleção do tri mundial, Diego Maradona, Los Angeles Doddgers e New York Yankees, Dream Team, Joe Montana, Romário, Phelps, Bolt, vôlei de Barcelona 92, Atenas 2004, Rio 2016...
Durante todo esse tempo, o Chicago Cubs jamais conseguiu um título. Maldição do bode (world Series 1945), Steve Bartman (final de conferência de 2003) preenchiam a história dos Cubs, uma história de tanto sofrimento ao longo de pelo menos três gerações.
Como é viver 100 anos sem comemorar o título de seu time favorito e amado? Como é ser zoado por maldições? Como é chorar por tantas eliminações, ou melhor, 3 eliminações que poderiam ter mudado a história de uma final? Não! Esse ano seria diferente! Mas será que seria? Angústia eu senti aqui de longe. 29/10/2016: O Cleveland Indians, há 68 anos sem título, abria um 3-1 na série final. A 1 jogo para o fim do jejum. "De novo essa história?" "será que o bode sempre irá nos assombrar?"... Eis que vieram os heróis! Não os velhos de guerra, os sofredores... Moleques sorridentes, sem o peso de 108 anos. Moleques que rebatiam a bola com alegria, corriam para as bases certos de que seus objetivos seriam alcançados. Foi um, dois... E os Cubs empataram a World Series em 3-3, após uma humilhante vitória por 7x0 no jogo 6. E o jogo 7 começaria com uma esperança e uma luz ao fim do túnel.
Logo Chicago abriria 5-1. Um torcedor que voltou para Indianápolis, terra onde nasceu e onde estava cumprindouma  promessa feita ao seu pai: "quando os Cubs forem para a World Series, eu irei assistir o jogo junto com o senhor". Bem, seu pai havia morrido, mas ele voltou para a terra dele e de seu pai, afim de ficar perto dele e acompanhar o provável momento glorioso. Quantos sorrisos brilharam na quele momento? Mas 68 anos também não é pra qualquer um. Os Indians empataram e viraram o jogo, e o nó na garganta e angústia de sempre tomaram os ares de toda Chicago. Mas eis que Romulo Mendonça grita pela eliminação de um jogador de Cleveland, e o time mais alegre, sofredor e querido da MLB estava de volta comemorando um título.
Um dos momentos mais emocionantes que já vivenciei. Cheguei a pensar se algum dia viria os Cubs conquistarem a World Series, e isso aconteceu. E o meu texto sobre isso não poderia ter acontecido em hora melhor: Demora de uma semana para escrever sobre um jejum de 108 anos. Justo, não?

OBS: O beisebol é um esporte que comecei a acompanhar há bem pouco tempo. A temporada acabou, mas volta em março. Quando puder, pesquise e assista e tente compreender esse esporte, que tem boas doses de emoção. Também pesquise sobre a história do Chicago Cubs. Você vai chorar se pesquisar, ver vídeos das épocas e os da final esse ano. Comparar momentos... Só então vai entender esse texto.
Um abraço, até a próxima!

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Sabe eu - Antonio Luis

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com