sábado, 10 de dezembro de 2016

[Orações A Saturno] - Conto de Vontade - Edhson Brandão



Morreu foi tarde aquela velha maldita do quarto andar. Víbora. Cobra de uma figa. Achei foi pouco o câncer que comeu todas as suas tripas. Pagou seus pecados em vida e eu comemoro porque acho justo.
Quem deste condomínio nunca foi vítima das perversidades delicadas dela que não pague mais as taxas de água e serviço. Somos poucos. Quantos mal agouros, quebrantos e olhos gordos não quebrei em reza vindos daquela mandingueira? Velha feiticeira molestava a cabeça das crianças criando lombrigas e bichas por pura crueldade. Seu cabelos ao ralo, fio a fio, foram tomados pela justiça do mundo porque aqui se faz e aqui se paga.
Não vou me esquecer tão fácil das vontades que passei provocadas por aquela indecente. Imagine só se isso é coisa que se faça. A sua janela ficava quase em frente a minha, mesmo eu morando no terceiro andar porque o solo daqueles prédios era desnivelado. O edifício do apartamento dela era sob um pequeno morro o que deixava seu primeiro andar nas metades do segundo andar do prédio paralelo, o que moro. Estou aqui há vinte e sete anos, olhei pra essa cara rabugenta e mal-lavada desde os três. Ainda pequena, me espreitava na janela da sala para observar o movimento dos condôminos e das fofocas da manhã enquanto as donas de casa paravam, próximas à escada, suspendendo suas bacias vazias entre as ancas e punhos. E era só me ver na espreita que a maldita começava. Em uma simpatia ardil chamava a minha atenção com bom-dia-menininha-linda. Em suas mãos sempre um doce, um pote de sorvete, um pedaço de bolo confeitado ou iogurte rosa. Perguntava da minha vida e da minha família enquanto se deleitava nos quitutes industrializados que vendia no Nagumo. Lambuzava seus dedos propositalmente e os lambia olhando para mim, quase que sexualmente, e soltava elogios à comilança enquanto me ouvia ou dizia suas bobagens domésticas.
Tinha um filho quase da minha idade com quem eu quase não brincava. Moleque chato, metido a rico. Só apanhava dos meninos do bloco bê e cê. Insuportável. Mas a merda se dava quando chegava agosto e lá pelos treze, catorze dias do mês os convitinhos de festa do Corinthians começavam a chegar por baixo das portas das famílias que tinham crianças no condomínio. Todas menos a minha. Aliás, menos a minha família e a do Jorge. Eu sabia porque, do Jorge já não sei.
Era o cúmulo: dias antes já se viam os meninos maiores e os moços rapazes bonitos descendo com os sofás dela para sua garagem. Logo depois, enquanto as demais crianças e eu brincávamos nas quadras e corredores, passavam a jararaca com o filho e mais gente de fora carregando sacolas, imagens em isopor, sacolas de bexiga e fardos de refrigerante. Tudo Convenção. Nisto não me queixo por nunca ter sido convidada. Odeio refrigerante barato. Os comentários começavam, os colegas contavam os presentes que compravam porque quando se recebia convite de papel para uma festa o presente era obrigatório. Aprendi assim. E eu lá, sobrava, quando sentada balançando minhas pernas equilibrando os chinelos numa brincadeira solitária. Então, depois de muitos preparativos e angústias, nas tardes destes sábado, das quatro a seis todas as crianças sumiam. Quando chamadas, sempre era recebida por adulto que dizia que Isadora tá no banho, Juninho se trocando e a Rafa já saiu. Restava eu chutando bolas esquecidas, sozinha, tentando algo no trepa-trepa ou jogando pedras em cima dos telhados de eternit das garagens. Eu me era tão órfão mesmo com meus pais vivos e queridos na minha casa. A canseira chegava e eu então subia pra casa. E quando dava sete horas é que o inferno começava. O som era ligado. Tocava Sandy e Junior, Xuxa, Eliana e os sucessos daquela época. As escadas que davam acesso ao apartamento da mocréia se enchiam. Todo mundo comendo e bebendo. As crianças, do prédio, da rua, da escola e parentes dela ficavam pra cima e pra baixo com coxinhas, pãezinhos de carne louca e copos de refrigerante. Eu sabia disso tudo porque espiava da janela. Mas nestas vezes pela da cozinha que era mais discreta. Um dia desses, deveriam ser nos nove anos do menino, eu espiei pela sala. Olhei tudo aquilo com a inveja que toda criança tem quando vê os outros sorrindo e ela não. Pois foi quando a velha me viu, naquela época nem tão velha assim, concordo. Então a velha me viu, sorriu cinicamente. Ela segurava uma bandeija de comes que devia estar servindo. Então, ela toma algo da bandeija – brigadeiros, beijinhos ou cajuzinhos, não lembro – e come olhando pra mim. Come e me olha. Mastiga deliciosamente e degusta com louvor cada sabor diluído em suas papilas funestas. Vagabunda. Após consumir o ato, com o mínimo de dignidade, fecha a janela interrompendo minha assistência.
Eu não lembro de muito depois, mas lembro do mal-estar e dos enjôos que eu sentia. Lembro da vontade de nada que me dava depois daquelas cenas. Lembro de pedir bolo e brigadeiro pra minha mãe e ela dizer depois. Lembro de pedir que meu pai me levasse a uma festa e ele respondendo que o aniversário do Carlinhos estava perto. Lembro do terror que tinha ao passar por aquela porta quando tinha que dar um recado à Marta do quinto andar. Lembro-me do medo que tinha de passar vontade. Vontade.
Que o fresco da terra tomem seu corpo como minhas fomes e desejos tomaram meu ventre. Descanse, velha, enquanto eu deleito o vazio que você faz. 


*
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Versos da alma

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Versos da alma

Versos da alma

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de domingo] - JOGOS DA MASSA – Ana Cristina

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com