terça-feira, 3 de janeiro de 2017

[COLUNA DE FÉRIAS] Poema de invenção


Tudo o que invento,
vive!

O que invento é
fazejamento de encantar!

O que crio,
não tem o dom de fenecer!

O que canto,
é música de invenção!

Mas, perceba, tudo o que invento,
n(m) atura-se na criação.

Agora, descansa o amor
porque o dia tarda!

ALDO MORAES


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Uma porta entreaberta - Elísio Mattos

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com