sábado, 18 de fevereiro de 2017

[Cine & Letras] Black Silence e 2001, uma odisseia no espaço

O Espaço, o Infinito, a fronteira final. O fascínio que assombra. O negro e silencioso universo... Em foco o Espaço Sideral e não a Nave Espacial. É o que vemos no clássico “2001, uma odisseia no espaço”, e nessa incrível novidade: BLACK SILENCE


Há spoilers de 2001, ainda que enigmáticos e leves spoilers de Black Silence, ainda que atmosféricos.

Mary Cagnin nos presenteia com Black Silence, uma HQ nacional de ficção científica, em um futuro onde pouco resta de futuro para nosso planeta. a única fagulha de esperança é a colonização espacial, num universo ainda pouco explorado. Se a esperança é a luz, o Espaço é Escuridão, o negro e silencioso infinito promove o fascínio, mas promove também a angustia. a irônica clautrofobia do Vazio.

2001 abrange da aurora do homem ao seu limite transcende. Mas não me cabe aqui falar da aurora do homem, ou do computador como vilão, nesse clássico já tão bem explorado. Em 2001, a Humanidade ainda não se percebeu ameaçada por um Monolito encontrado na lua. Uma grande pedra negra, retangular, com proporções semelhantes as da tela de cinema, porém na vertical. O Monolito está lá imponente, parece ter consciencia de si. Talvez ele exista antes da vida, uma fantasmagoria do Universo. Negro e Silencioso.

Enquanto 2001, faz uma escolha pouco narrativa e bastante sensorial, carregado de símbolos absorvidos no subjetivo do nosso sub consciente, Black Silence nos traz personagens densos, carregados de passado e palavras, mas sem perder a densidade sem palavras do espaço. Ubuntu Neesrin, a comandante da expedição espacial, pragmática, calada, endurecida pela vida, com um forte senso de responsabilidade, inspira admiração e medo em sua tripulação. A vastidão do universo é seu espelho, negra e silenciosa, uma fortaleza. Bem como o Monolito de 2001, que na sua total ausência de sentido, é carregado de sensações sublimes, transcendentes, assombrosas. O Silencio ensurdece, o espaço enlouquece. David Bowman, o astronauta lançado ao espaço em 2001, sofre a transcendência física, mudando radicalmente o sentido de sua existência. Assombroso, porém sublime.

Em Black Silence, o medo do desconhecido e mais racional, mas não menos, digamos, atmosférico, pois a terra está no seu limite, não apenas de recursos naturais, mas no limite dos nervos, do indizível. O limite é enlouquecedor e por isso transcendente. É o paradoxo do silêncio que diz muito, num sufocamento físico e mental.

Uma conclusão? É difícil chegar. 2001 de Kubkick e seu monólito carregam mil análises de significado, como um ser divino ou criação de uma raça incorpórea... Black Silence é novo e está plenamente aberto à explorações. Então eu convido, surpreenda-se, mergulhe no silêncio, mergulhe na escuridão.



Black Silence foi financiado no Catarse e você pode pedir nesse LINK
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Versos da alma

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Versos da alma

Versos da alma

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de domingo] - JOGOS DA MASSA – Ana Cristina

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com