domingo, 23 de abril de 2017

[Súmula de Domingo] Escotismo – Ana Cristina da Costa.

Falar de escotismo nos remete a conceitos formados de aperfeiçoamento físico, moral e comportamental a exercícios físicos e ensinamentos paramilitares. 
São 10 as leis, a base de toda essa estrutura difundida mundialmente e sobrevivente neste mundo de frios e inimagináveis substâncias plásticas e metálicas. São cinco os pontos primordiais, eles não são finalidades e sim meios para alcançar os objetivos propostos.

O escotismo ainda é muito procurado por aqueles cuja formação foi militar e ou teve influência de tal, mas não primordialmente, pois também àqueles querendo proporcionar aos filhos, aos jovens em geral, uma visão de mundo real. Àqueles que respeitam o manual de sobrevivência de fato. 

Está num desses treinamentos, como sobreviver em uma floresta, aplicando princípios básicos.
Muitas pessoas ainda se perdem nas densas matas pelo mundo afora por não saberem e ou não carregarem no meio das coisas uma bússola. Infelizmente ela deu lugar ao celular, uma ferramenta que, dependendo do local, sua altitude, não oferecerá sinal para a comunicação com o mundo, e ou estará com sua bateria descarregada. Isso é só uma das muitas informações recebidas dentro desse brilhante segmento.
Além disso há os ensinamentos morais, esses não deveriam ter sido perdidos jamais, o respeito à pátria, honrar pai e mãe, respeito aos mais velhos, dizer sempre a verdade e outros tantos formadores deste manual de humanidade, que abrilhantam e credibilizam o escotismo.

Baden-Powell, fundador do Movimento Escoteiro, sempre enfatizava o cumprimento do dever religioso pelos Escoteiros, não importando qual a sua crença religiosa, ele criou algumas orações.

“Do Escoteiro,

Senhor... Ensina-me a ser generoso, a servir-Te como Tu o mereces, a dar sem medida, a combater sem temor, a trabalhar sem descanso e a não esperar outra recompensa senão a de saber que faço a Tua vontade.
Assim seja!”


Como vês escotismo enlaça todos os veios, como uma rosa dos ventos que deu ao escoteiro, ao seguidor das doutrinas, base para todas as direções. Não importando suas convicções religiosas, suas preferências e gostos, ser um escoteiro é antes de tudo ter respeito e fazer o melhor ao próximo, não se esquecendo de cuidar de si mesmo, primando pela limpeza corporal e pela retidão de suas atitudes, só assim ele poderá oferecer ao outro exemplo e bem-estar.

O trabalho em conjunto e voluntário, sempre deram aos escoteiros o conceito de união, família, amizade e compartilhamento, portanto, ser escoteiro é cuidar de tudo à sua volta e primar ao máximo para que tudo ocorra da melhor maneira possível e em harmonia,

“Sempre alerta para Servir”

Ana Cristina da Costa
Imagem extraída do Google.

http://www.geguaranis.org.br/arquivos/adestramento/Coletanea_de_Oracoes_e_Mensagens.pdf
https://www.youtube.com/watch?v=zjoLXHPfmJI
https://www.youtube.com/watch?v=0u0I5I2tFLo





Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Sofro em teu olhar - Robson Lima

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com