domingo, 7 de maio de 2017

[Súmula de Domingo] Silêncio – Ana Cristina da Costa


Se o dia pede SILÊNCIO, então eu lhe darei, porque hoje é o Dia do Silêncio em prol da conscientização de todos males relacionados à poluição ao planeta. 

Hoje, eu me farei muda, ninguém ouvirá da minha boca um esbravejamento sequer, porque todos os meus gritos estarão vibrando em meu peito.

Estarei chorando de culpa por todos os papéis que joguei no chão, por todas as latas de refrigerantes que atirei pela janela do meu carro, por todos as guimbas de cigarro jogadas por peteleco por aí, por todos os sacos plásticos trazidos do supermercado, por todas as águas desperdiçadas no uso diário de casa, por todos os desodorantes e spray’s que usei contendo CFC (clorofluorcarbono), por não ter querido saber de que maneira tratavam todas as hortaliças trazidas para casa, tão lindas e brilhando diante dos meus olhos, por que não quis saber o motivo do sumiço das abelhas e vaga-lumes, e pelo aumento dos mosquitos em nossas vidas. Pode ser que eu tenha arrancado árvores em demasia, devastado florestas inteiras com incêndio e ganância e provavelmente eu deva ter feito barulho em demasia.

Por tudo que fiz ao meu mundo, darei a ele, a parcimônia de um monge no auge de sua compenetração, estarei serena tanto quanto o sono tranquilizador de um recém-nascido, me farei de paisagem em sua lenta atividade como a um sol no horizonte que se locomove imperceptivelmente.

O dia pede silêncio porque já fizemos muitos barulhos, muitas sujeiras e causamos a ele todos os tipos de bagunça.

Se ele clama uma pausa é porque já o fizemos dançar tantos sons desconhecidos, que sua esfera anda côncava.

Hoje façamos silêncio.

Emudeçamos ante uma provocação, respiremos.

Corram, movam-se, mas não gritem, não esbravejem, aproveitem o silêncio para principalmente gritar com vocês mesmos, façam acontecer seus protestos aí dentro, briguem, reflitam para que não maculem ainda mais a nossa casa, o nosso planeta.

Cuidemos, pois, de casa, façamos hoje uma grande faxina. Penduremos o manual de reciclagem e ao comprar algo tenhamos consciência de que somos responsáveis por nossas embalagens, infelizmente não por sua criação, mas por seu descarte. Claro que nossas ações não se fazem sozinhas, são necessárias conscientizações de tantos segmentos, mas que isso não nos congele, somos um, mas o mundo anda cheio de unidades aguardando para que unidos formemos a grandeza.

“O exercício do silêncio é tão importante quanto a prática da palavra”. William James
Share:

2 comentários:

  1. Vim seca atrás de algum escrito sobre o senhor King e encontrei um texto legal sobre meio ambiente! hahaha É incrível ver como as palavras dele dialogam com as mais diversas causas.

    ResponderExcluir
  2. Jan, boa noite sou agradecida com sua visita em minha coluna. Bem verdade o que diz e ainda bem que temos grandes homens a nos servir com os exemplos.Um abração.

    ResponderExcluir

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Corrigida Anisofila - Jonnata Henrique

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com