quarta-feira, 14 de junho de 2017

[4ª Poética] Acorrentada - Jeovânia P.



Sentada na cadeira da ilusão
De quando em quando
Mastigando com os pés
Os dias

Lá vai ela acorrentada

Segue olhando pro chão
Pedindo desculpas
Por incomodar passando ali
Em qualquer lugar

Lá vai ela acorrentada

Nem saber os laços que lhe amarram sabe
Nem as grades que lhe cercam
Nem a escravidão em que vive

Lá vai ela acorrentada

Imune a dor da consciência
Imune a certeza de si
Protegida da realidade
Envolta a tudo que lhe definem como sendo certo
Bom
Verdadeiro
Embriagada de opiniões alheias

Lá vai ela acorrentada

Se soubesse
Se visse
Se descobrisse
Se
Ah, se!
Se um dia acordasse
Se libertaria

Mas enquanto não acorda
Lá vai ela acorrentada




JEOVÂNIA P.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Sofro em teu olhar - Robson Lima

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com