quarta-feira, 12 de julho de 2017

[4ª poética] Quase que acreditei - Fundação Casa


 Eu Tive Um Sonho
 Sonhei Que O Mundo
  Nao Tinha Morte
  Fome Nem Dinheiro
  Não Tinha Gente
  Com Inveja Do Patrimonio  Alheio
  Tudo Era Feliz, Violencia?
  Era Algo Deselegante Nessa Metropole
  Falar Palavrão Era Algo Medonho
  E Mas Essa N]Ão É A Nossa Realidade....


   PSEUDÔNIMO: L.D

 FUNDAÇÃO  CASA OSASCO I




POETA SÓCIO-EDUCANDO: Agora, na quarta poética também teremos uma vertente social. Serão aqui apresentadas poesias de adolescentes internos na FUNDAÇÃO CASA de  Osasco I-SP. Como o adolescente esta em medida sócio educativa temos que preservar o direito de imagem dele devido a tutela estar com Estado, não podendo ser revelada a autoria(Espero que compreendam). 
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Versos da alma

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Versos da alma

Versos da alma

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de domingo] - JOGOS DA MASSA – Ana Cristina

Copyright © Faroeste Literário - entrevistas, cursos, resenhas e muito mais | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com