domingo, 3 de setembro de 2017

[Súmula de Domingo] A Moral e os Bons Costumes – Ana Cristina da Costa.

Talvez hoje eu esbarre em algum defensor desta máxima, afinal é o boom da vez discutir sobre o que é ou não errado, o que devemos ou não fazer para ferir ou não a sociedade e ou uma classe de pensamentos defensores desta ou outras práticas adversas.
Mas hoje vou falar sobre as boas práticas, essas que desde que o mundo é mundo tem dado muito certo porque somos de uma mesma espécie e queremos quase sempre as mesmas coisas no que se refere aos limites. Queremos e gritamos por respeito, mas geralmente a hipocrisia nos acompanha, pois é quase raro olharmos para o nosso umbigo, e olhe ele fica no centro do corpo e, diga-se de passagem, muita gente nem o lava. Então para cobrarmos se esta ou outra prática estão ou não erradas vamos analisa-las pelos parâmetros legais e ou por sua lógica.
Discutimos hoje o absurdo da prática de uma pessoa a qual podemos considerar com desvio comportamental por não saber e ou não ter a consciência de que a prática sexual em público é crime, reza no Código Penal Brasileiro:
CAPÍTULO VI
DO ULTRAJE PÚBLICO AO PUDOR
Ato obsceno
Art. 233 - Praticar ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público:
Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Uma pessoa em condições mentais normais jamais praticaria o ato tantas vezes e em cenários comuns à vontade doentia com tanta desenvoltura e liberdade que o cidadão dos episódios executados no ônibus, ele já tem a prática e por ela almeja porque nossas leis ou não são respeitadas e ou não são enfáticas e claras.
Como disse anteriormente, somos hipócritas em questionar um seio posto à mostra cujo é o invólucro do alimento universalmente o melhor e mais saudável e o mais indicado e dito por todos os médicos, diga-se de passagem o colostro, o que traz um pacote de imunidade, para os bebês, salvo as mães impedidas por doenças contagiosas e ou por insuficiência no seu fabrico. Tenho uma leve desconfiança de que tratamos aqui de um crime de discriminação às mulheres quando são impedidas de alimentar o ser humano em publico. Mas vou terminar este deixando a vocês uma questão, o que é ou não moral, o que devemos ou não praticar em público, vivemos em sociedade, então pense um pouco.
O que chama a atenção é que um ato de atentado ao pudor não é visto como um estupro e o acusado foi liberto, pois o juiz não pensa nas vítimas, deixando transparecer que ejacular nos outros, em público ,é permitido, enquanto uma mãe que deixa seu seio a mostra para amamentar seu filho é condenada pelos olhares à sua volta.

As questões socráticas inauguram a ética ou filosofia moral porque definem o campo no qual valores e obrigações morais podem ser estabelecidos pela determinação de seu ponto de partida: a consciência do agente moral. É sujeito ético ou moral somente aquele que sabe o que faz, conhece as causas e os fins de sua ação, o significado de suas intenções e de suas atitudes e a essência dos valores morais. Sócrates afirma que apenas o ignorante é vicioso ou incapaz de virtude, pois quem sabe o que é bem não poderá deixar de agir virtuosamente. https://athenateu.blogspot.com.br/2014/02/a-filosofia-moral-parte-1.html
Por: Ana Cristina da Costa
Imagem extraída do Pinterest.
Encontrei esta página no Facebook, ainda não testei, mas já estou de olho em alguns filmes espero que seja confiável. /www.facebook.com/filmesagoraonlinegratis/

Um abraço a todos e um bom dia em família.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Anuncie

Anuncie

SnapChat

SnapChat

Facebook

Youtube

Feature Post

Google+ Badge

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Corrigida Anisofila - Jonnata Henrique

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com