quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

[4ª Poética] Prece - Guilherme Paes

PRECE

Deus, se eu lhe acreditasse
Faria agora uma prece
Bonita como um poema
Se lhe acreditasse seria devoto
Fervoroso e resoluto

Do tipo que vai à missa bem cedo
Antes mesmo da névoa pesada
Desencobrir a cruz no cocuruto da igreja
Tão cedo que entraria com todo silêncio
Pra não acordar seu menino

Deus, se eu lhe acreditasse
Acenderia toda noite uma vela
Pra nossas mães que sofreram tanto
E conversaríamos sobre saudades
E aí eu dormiria em paz

Daria tantas graças, por tudo lhe agradeceria
Seria detalhista em minha gratidão
Grato por cada grão de café, pelo cobertor Parahyba
Por Mood Indigo e pelo Menino Impossível
Obrigado, obrigado, obrigado

Se lhe acreditasse seria livre
Deus me livre, me livraria de tudo
Os problemas todos jogaria no seu colo, Deus
Toma, que o filho é teu!
Toma que o filho é teu, Deus,
E leva daqui essa culpa!
Mais que minha é sua essa maldita culpa!

Pois é, Deus
Se lhe acreditasse.
Se lhe acreditasse, logo você me encheria o saco
Logo estaria bem puto contigo, lhe odiaria as barbas
Odiaria sua incompreensível concepção do tempo
Seus desígnios ignominiosos

Sai desse corpo que não te pertence, Deus!
Vade retro!
Me quero expurgada a crença no seu paraíso
Essa recompensa fajuta, injusta, esse desejo falacioso
Paraíso é cabresto na alma, lastro no lodo da inépcia

Se lhe acreditasse, Deus
Talvez lhe amasse muito
E por fim lhe desse adeus

Com um beijo na face esquerda

GUILHERME PAES
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Para dizer que te amo - Daniel Souza

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com