domingo, 4 de fevereiro de 2018

[Súmula de Domingo] O Amigo – Ana Cristina da Costa

De tempos em tempos os divãs ganham uma nova roupagem.

Houve um tempo em que a mulher não abria a boca, não tinha chance de revelação, a não ser para engolir todos os dejetos expelidos pelos mandatários das verdades, seu único consolo, sem o sentido pejorativo, eram os confessionários, lá eram ditos os mais profundos segredos. Neste mesmo tempo o homem acuado por seus próprios problemas procurava o colo de uma mulher, que não fosse a sua, para desabafar suas piores ações, essas de posse de tamanho tesouro faziam dos sussurros suas moedas de troca.

Esses eram momentos memoráveis, os das confissões e desabafos, pois ambos retornavam a casa tão leves que a vida, eu diria, era vista como “exemplar”.

Com a queima do sutiã as coisas foram mudando um pouco de figura e a mulher pode dizer algumas palavras antes trancadas aí o mundo começou a prestar atenção numa voz diferente, numa voz suave no tom, mas carregada de verdades.

Elas, as mulheres, puderam ser vistas sozinhas em bares, em carros de passeio, em viagens e assumindo sozinhas os seus lares, os tais castelos de areia. De posse de tantas conquistas foram às urnas e sentaram-se em tronos antes masculinizados, mudaram os confessionários.

Os homens por sua vez, encontraram outro caminho já que não eram mais os possuidores de tantos poderes.

Houve uma gama de invenções separando, filtrando, reinventando o ser humano, até que houve um boom.

Com a chegada do universo digital, tanto o homem como a mulher, ganharam uma nova proposta de entretenimento, comunicação e tratamento. Subsistiram os contatos pele a pele, as pessoas ainda frequentam igrejas, sentam-se em bares e as prostitutas, antes meras irmãs detentoras de segredos, agora ostentam carros de luxo e frequentam universidades, não estão mais à disposição dos achaques conjugais.

Mas surgiram as redes sociais, espaços virtuais onde os carentes de todas as formas se viram num universo completamente diferente e vulnerável e mesmo assim se desnudaram, em todos os sentidos, a fim de conquistar o outro lado da tela. A coisa ficou fora de controle.

Como o ser humano é em si uma máquina ele transformou este universo digital em tantas coisas que podemos dizer que há uma divindade nisso tudo, há um domínio, há uma disputa embora um crie o outro, este não deveria dominar, mas... Então as redes sociais foram criando grupos afins, onde as pessoas puderam falar sobre o mesmo tema com outras, de vários lugares do mundo, por várias horas, sem sair do conforto de sua casa. Criou-se o divã da modernidade.

Logo as empresas perceberam a mudança e ainda tímidas foram adentrando neste espaço sagrado. Hoje há inúmeras possibilidades de tornar-se membro de uma sociedade, de fazer parte de uma empresa, de marcar consultas médicas e até ser atendido por um especialista que possa te escutar, assim como os padres outrora e as amigas posteriormente nas cadeiras dos bares. Sim, elas continuam a tagarelar umas com as outras, mas elas podem fazer isso por aqui mesmo, digitalmente, escrevendo, enviando áudio ou até mesmo enviando uma imagem de si mesma através de vídeos. Trocaram as cadeiras.

Criou-se um modo, uma maneira de informar os óbitos, os casamentos, os encerramentos deles, os nascimentos, os passeios, as viagens incríveis, as mazelas políticas e outras tantas notícias, pois há um cardápio para os variados gostos, criou-se o Facebook. Tido inicialmente como mais uma rede social, desbancou o Orkut em pouco tempo. Com seu layout azul, sua plataforma clean, causou estranhamento, mas aos poucos foi conquistando as pessoas.

Ele é o aniversariante de hoje, o melhor amigo de muitos comemora conosco o seu nascimento, então um viva para ele!!!

Por conta disso, da sua criação, hoje é o dia do amigo e para que não fique nenhuma dúvida entre nós é que estou aqui assiduamente neste domingo dizendo algumas coisas que deva estar cansado de saber, mas que mesmo assim eu não deixo de vir, por que sei é o dia do nosso encontro.

Embora o mundo esteja assim, por ora desmoronando, e noutras se reinventando, há nele, cantinhos que são verdadeiros paraísos, verdadeiros templos onde possamos desabafar e descansar a cabecinha no travesseiro.

Feliz dia do amigo a você e o meu desejo é que consiga construir o seu cantinho em melhores condições das que temos hoje neste vasto mundo chamado Brasil!

Ana Cristina da Costa.
Imagem extraída do Pixabay
Sugestão de filme: MARY & MAX - UMA AMIZADE DIFERENTE
http://www.adorocinema.com/filmes/filme-139621/trailer-19338977/



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Uma porta entreaberta - Elísio Mattos

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com