domingo, 22 de abril de 2018

[Súmula de Domingo] Salvem a Terra – Ana Cristina da Costa

Neste dia eu poderia falar sobre três assuntos, mas escolhi falar sobre O Dia da Terra, pois sem a casa saudável não comemoraremos data nenhuma nos próximos anos. Então assim como fomos descobertos, criamos uma República, gritamos a liberdade podemos parar um instante e refletir, mas não fiquemos por muito tempo inertes, pois a decomposição do humano é ligeira.

A data foi criada para conscientizar sobre os usos que fazemos dos recursos naturais, sobre o destino do lixo, sobre o que queremos deixar para as futuras gerações.

Foi um protesto que em 22 de abril de 1970 envolveu muitas escolas e universidades, a partir daí criaram-se leis e diretrizes sobre a preservação do meio ambiente, criou-se a Agencia de Proteção Ambiental (Environmental Protection Agency) Em 1972 foi celebrada a primeira conferência internacional sobre o meio ambiente: a Conferência de Estocolmo, cujo objetivo foi sensibilizar aos líderes mundiais sobre a magnitude dos problemas ambientais e que se instituíssem as políticas necessárias para erradicá-los. Fonte: Wikipédia – Wikipédia, a enciclopédia livre

Alguma coisa mudou de lá para cá?

Ficamos mais responsáveis?

Civilizamo-nos talvez, criamos as lixeiras de coleta seletiva, as agencias de metareciclagem, mas vemos constantemente animais marinhos morrendo engasgados com sacos plásticos, tartarugas sufocadas com canudos em suas narinas, recifes de corais sendo ameaçados de extinção, vemos cidades inteiras sendo varridas, enlameadas por produtos tóxicos, vemos muita coisa feia e não fazemos nada e podemos quem não pode são os animais que apenas vivem em seu extinto, matando para se alimentar e não para acumular troféus e riquezas, eles estão invadindo a cidade porque a cidade invadiu a casa deles.

Fizemos muita coisa, mas nada foi suficiente para frear a ganância humana em relação as riquezas da terra, essa mãe cheia de alimentos e paraísos.

Até quando essa bola azul aguentará tanta chaga?

Até quanto ela permanecerá na cor original?

O futuro me assusta, eu não gosto nada de saber sobre a extinção do verde, do azul e das cores que temos em abundância em diversas partes do mundo, temos paraísos terrestres nunca vistos antes, não gosto nem um pouco dos filmes futuristas ilustrando um mundo cinza, sem vida, sem sol, sem água e gente triste.

Tomara que todas as previsões sobre a morte do planeta não sejam verídicas, que todas se mostrem um dia uma grande jogada de mestre, que foram lançadas aos ventos apenas para nos conscientizarmos sobre o que fazermos, tomara.

Cedemos espaços em nossas vidas às máquinas, elas nos regem, horas e minutos, nos dominaram e contribuem consideravelmente para a poluição do planeta, precisamos repensar o modo de viver.

Escrevi um dia sobre isso:

“...ficamos encurvados em sinal de reverência à máquina. Será que tem volta?. De repente nos deleitamos da comiseração momentânea. Um amigo me chama no Messenger. Somente e tão somente se tudo, absolutamente tudo for destruído, quando o mundo for ao caos e virar ruína, nem mesmo o ser estará aqui, provavelmente a máquina, obsoleta, inerte e enferrujada. Precisamos repensar essa subserviência. .
Um dia estava andando na rua e vi um amigo da virtualidade, ele nem olhou para mim.”
Por: Ana Cristina da Costa
Imagem extraída do Pixabay
Sugestão de filme: A Menina Indigo – Netiflix.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Nem sempre é fácil esperar - Soares Barbosa

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com