quarta-feira, 12 de setembro de 2018

[4ª Poética] Minha casa minha vida - Guilherme Paes

MINHA CASA MINHA VIDA


Como é linda minha casinha
Dentro do meu peito
Só ela sozinha
No alto do morro
Na alma do vento

Como é linda essa casinha
A carne e o osso das paredes
A minha grama mais verde
Do que a grama da casa vizinha
(Até porque só há uma casa
Sob o firmamento do meu corpo)

Minha casinha, tão linda
Toda branca, porta azul-marinha
Tudo que é mais belo lá dentro
Da minha mãe guardo um quadro
Do meu pai a vitrola e os discos
Todos os meus dias de criança
E meus desenhos encerrados
Em um cofre de ouro


Uma casa no alto do morro
Fundada em pedra-lembranças
As paredes grossas, janelas infinitas
Casinha onde o sol brilha morno
Na face norte, todos os dias
Porque ali é tudo sempre bom

Casinha boa
Sólida
Onde a fé
Ainda é
Intacta
E pacata
É a vida

Diamante sabiá que voa
Frio, livre e errante
Brilho duro inconteste
Do sol canônico em noa

No céu aberto do meu tempo
Da minha casinha contemplo
Esse pássaro estrela cadente

Irrelevante externo
Cortante inverno fora
Debaixo das costelas
A casinha bem abrigada
Dentro dela tépidaa madrugada
Fora a terra retesa, a pele congela

Na minha casinha
Tudo sempre em paz
Nela eu moro feliz
Nela eu morro feliz

GUILHERME PAES
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Para dizer que te amo - Daniel Souza

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com