quarta-feira, 24 de outubro de 2018

[4ª Poética] Cinza - Guilherme Paes


CINZA


Cinzas no cinzeiro, céu cinza o dia inteiro
Finalmente a chuva cai e cala a agonia da espera
Eufóricos trovões proclamam a alma liberta do cativeiro
Casulo de ar frio e úmido, crisálida elétrica atmosfera
Alegria nublada, inebriante neblina que desce da serra

É linda a praia assim,vazia, cinza, fria
As conchas  todas caladas, cada grão de areia em silêncio pétreo
Somente a ladainha do mar, repetindo ad infinitum seu cântico de melancolia
Disco riscado que quando toca invoca fantasmas de semblante vítreo
Tristonhas assombrações que a saudade cria

No meio do canal vai um pesqueiro só
No alto da costeira a pequena capela registra a passagem do tempo na cal gasta de suas paredes
Memória paupável como seus tijolos de adobe-outrora pó
Ainda firme como as mãos velhas do pescador que remenda as redes
Ano após ano, nó após nó.

GUILHERME PAES

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Uma porta entreaberta - Elísio Mattos

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com