sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

[Entre nó(s)] Feliz melancolia - Luis Gustavo




Paira sobre mim uma melancolia estranha. Oculta no ar parado e quente que vigora nesse instante, ela toma meu coração fazendo-me cavalgar em inexplicáveis saudades, me deixando tenso como o arco quando impele a flecha ao alvo.
Me levo através de tal sensação até sentir a psicológica capa de ansiedade me envolver, o que torna essa imobilidade física mais profunda ainda.
O mais estranho de tudo, é que paradoxalmente uma felicidade doída corrói minhas entranhas, sendo esta reflexo do calor convidativo que se insinua sussurrando promessas de novidades com requintadas mudanças.
Continuo nesse galope sentimental e irracional sem compreender como afinal de contas vocês podem conviver em tal conformidade em minha alma!
Como sinto vocês duas, Melancolia e felicidade sendo complementares uma a outra para a forja desse inspirador momento?
Porque sim, vocês pintam diante de mim um quadro raro onde a sutileza cinza e o sorriso galante ocupam o mesmo espaço, onde a saudade canta jovial e bela, pois traz em si a sombra da luz matinal de uma primaveril alegria!
Não me recordo de ter sentido tal paradoxo antes, mas se o senti deixei vagar longe, o que não o faço agora. Deixo vocês me guiarem junto com as suaves canções que embalam meu coração nesse tal galope, com a sensação da paixão antiga mas recente prometendo o que já mais poderá cumprir por si mesma.
Nesse meio tempo, a noite corre com seus sonhos, mistérios, belezas, tragédias, enquanto escrevo essas linhas em companhia de músicas clássicas, conduzindo minha alma.
Meu corpo paralelamente suporta a tudo isso quase imóvel, por não poder comungar com o real universo que pulsa em mim nesse melancólico mas feliz instante!

Análise

O texto construído através das metáforas, nos apresenta uma gama de sensações e descrições. Desenhado minuciosamente pelo autor, nos converge a uma imersão de suas sensações físicas e emocionais.

"Paira sobre mim uma melancolia estranha. Oculta no ar parado e quente que vigora nesse instante"

No trecho a cima podemos notar duas características, uma emocional e outra física, a melancolia e o ar quente. Nesse caso, percebemos que a "melancolia", não vem como algo negativo, mas sim como o motor propulsor para outras sensações e sentimentos que podemos ver no trecho abaixo:

"ela toma meu coração fazendo-me cavalgar em inexplicáveis saudades, me deixando tenso como o arco quando impele a flecha ao alvo."

No trecho a cima, podemos notar que ela foi a responsável por despertar as memórias do autor, aparentemente de uma forma negativa, o que não se confirma no decorrer do texto.

"Me levo através de tal sensação até sentir a psicológica capa de ansiedade me envolver, o que torna essa imobilidade física mais profunda ainda."

Aqui temos novamente, sensações emocionais que refletem no físico, a melancolia adjunta da ansiedade que só reforça esse "sentir" físico.

"O mais estranho de tudo, é que paradoxalmente uma felicidade doída corrói minhas entranhas, sendo esta reflexo do calor convidativo que se insinua sussurrando promessas de novidades com requintadas mudanças."

Aqui temos o reflexo das memórias citadas acima. Boas memórias e ouso arriscar uma certa nostalgia, a ânsia por viver novamente aquilo. Temos também, o emocional e o físico, a felicidade que corrói as entranhas (nesse trecho fica explícito a brincadeira do autor com relação ao físico e o intangível) e logo o calor que também pode ser uma brincadeira com o ambiente e aquilo que desperta o desejo pelas novidades.

"(...) Porque sim, vocês pintam diante de mim um quadro raro onde a sutileza cinza e o sorriso galante ocupam o mesmo espaço, onde a saudade canta jovial e bela, pois traz em si a sombra da luz matinal de uma primaveril alegria!"

Nesse trecho, podemos ver o forte indício das nostalgias do autor, da melancolia pelo o que não vai mais voltar e da felicidade pelo o que foi vivido e pelo o que está por vir.

"Deixo vocês me guiarem junto com as suaves canções que embalam meu coração nesse tal galope, com a sensação da paixão antiga mas recente prometendo o que já mais poderá cumprir por si mesma."

Na linha acima, temos indícios do que pode ser a tal "nostalgia" e "saudade" do autor.

"Nesse meio tempo, a noite corre com seus sonhos, mistérios, belezas, tragédias, enquanto escrevo essas linhas em companhia de músicas clássicas, conduzindo minha alma.
Meu corpo paralelamente suporta a tudo isso quase imóvel, por não poder comungar com o real universo que pulsa em mim nesse melancólico mas feliz instante!"

Já aqui, temos uma noção de tempo, onde nos é revelado, que todas sensações e sentimentos estão sendo motivados por músicas clássicas. A forma como o autor é afetado por isso, a forma como é motivado a transpor tudo aquilo que está o envolvendo sinestesicamente, ou seja sentimentalmente e fisicamente. A forma como seu corpo reage a cada uma dessas sensações, saudade, ansiedade, felicidade e melancolia.
Felicidade e melancolia, dois polos opostos que funcionam juntos, como uma pilha, uma bateria, que são a fonte energética para que algo mantenha-se em pleno funcionamento.

O texto é uma bela construção metafórica do autor, achei muito incrível como cada sensação é desenhada por ele através da sinestesia.
As metáforas me parecem muito bem encaixadas, nos fazendo mergulhar em cada sentimento, como em um quebra-cabeça onde cada uma das peças nos revelam um pouco mais da imagem.
Meus parabéns Luis!

Lembrando que essa é uma análise simples que faço, pois nunca fiz nenhuma análise antes, então peço que deixem suas considerações para que eu possa sempre melhorar.
Deixe sua opinião também sobre o texto do autor.
Agradeço imensamente ao Luis pelo envio do texto e claro, a todos que tiraram um tempinho para ler. Nos vemos em breve com mais um texto para desatar os nossos nó(S).
Davyd Vinicius.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Os Nossos Direitos – Anna Costa

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com