sexta-feira, 12 de abril de 2019

[Entre nó(s)] Não desejo - Davyd Vinicius





São cinco da manhã e meus olhos estão tão despertos quanto um farol em meio a tempestade. O meu coração dói, como as solas dos meus pés junto as brasas. Eu jamais desejaria
essa dor a qualquer ser que
habita essa terra. Eu jamais desejaria essa falta a qualquer coração em pleno funcionamento.
Eu perdi minha cabeça e tudo o que chamam de sanidade, sinto o meu corpo pela metade, uma metade dolorosa e solitária. As minhas lágrimas encharcam o travesseiro e a cama onde
o sono não consegue repousar.
Essas lembranças esmagam o resto que sobrou desse ser que um dia você amou. Agora tenho duas estradas para escolher, aquela aonde não há nada, apenas o chão por onde caminharei
solitário, ou o abismo e
o resto das memórias que você deixou.


(Davyd Vinicius)

Entre nó(s), para desatarmos as angústias dos nossos corações, revelarmos o mais intimo de nossos seres. Aprendermos a fazer morada em nossos corpos e lidarmos com aquilo que chamamos de sentimento, acessarmos o canto mais profundo e escuro de nossos nó(s).
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Criar, Criaturas – Ana Costa.

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com