domingo, 12 de maio de 2019

[Súmula de Domingo] Criar, Criaturas – Ana Costa.


De repente nos deparamos com a vida imperfeita!
Passamos boa parte dela pensando as coisas são perfeitas! Aí as vemos de perto, o que antes endeusávamos se mostra tão cheio de remendos.
Isso causa-nos uma profusão de sentimentos, liquidificamos momentos e palavras em um só instante, decepção e desterro.
A falta de divindade não está somente nos objetos, está em igual proporção nas pessoas, elas são tão diversificadamente iniguais, essa é a perfeição da criação. Esta nuance por certo é aquilo que nos atrai uns aos outros, seria um tanto quando perverso nos relacionarmos com outros, cópias de nós mesmos, um viva a tudo aquilo que é diferente e imperfeito.
Hoje vou falar de um ser que na maioria das vezes, das casas, o chamam de Perfeito. Este ser leva majestosamente o status quo de MÃE.
Bem a mim é fácil dizer, por mais que se discutam e incluam nos compêndios enciclopédicos as diversas formas e gêneros associados, mãe por natureza e fato é aquela dá a luz. É só a palavra para aquele que pari, põe no mundo. Mas se a pusermos nos termos instintivos e animal e esta corresponder a todas as expectativas, então a chamamos de Mãe.
No quesito paritário, encaixo-me muito bem, pois sou mãe de três belas criaturas, onde a natureza foi generosa em inteligência, beleza e caráter, meus filhos. Mas quanto ao que diz respeito à outros itens da lista classificatória, falhei. Falhei muito e muitas vezes, vi isso muito tempo depois, muito depois. Foi aí que, percebi a imperfeição de um ser que a maioria das pessoas no mundo inteiro, endeusam, eu me vi.
Hoje estou aqui para falar destes seres chamados Mulheres, máquinas perfeitas de gente, afinal de onde mais saem pessoas senão de um ventre?
Há um terreno bem delicado do qual não sei quase nada, chamado ciência, esta em constante desenvolvimento, talvez um dia não tenha preocupação com o extermínio da humanidade, pois bastarão alguns cientistas em ambientes perfeitos para esculpirem em série, gente, talvez. Com essa atitude por certo eles terão tempo suficiente e dados para produzirem a perfeição, do contrário, estamos sujeitos à genética, ao ambiente e à fatores diversos nos detalhando e classificando, somos pessoas.
MÃE, obrigada por ter-me fabricado, felizes são os seus dias!
Por: Ana Costa
Imagem extraída do Pixabay.



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Criar, Criaturas – Ana Costa.

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com