domingo, 23 de junho de 2019

[Súmula de Domingo] Passo a Passo – Anna Costa



Eu escrevo a minha história e ela não é igual a sua.
Talvez a descrição do meu creme dental Oral B com flúor 1.2.3, se assemelhe à sua, mas ele nunca terá como companhia um frasco de enxaguante bucal Listerine Cool Mint com um dedo apenas por terminar, e com certeza o seu desespero não seja o mesmo que o meu em vê–lo na penúria e eminência de morte salivar, porque é muito cedo e o comércio não abriu ainda, mesmo porque o tempo é contado e precioso, tenho menos de uma hora para me arrumar e dar ração para os cachorros, verificar se estão com água suficiente, passar o cajal nos olhos e o corretivo está na bolsa que se fixou embaixo deles, passar o rímel e ou a máscara que é como chamam agora, no meu tempo era rímel, meu batom habitual cor de vinho, eu gosto, decidir dentre os vários perfumes, uma mania que ainda não consegui conter, amo perfumes, os frascos e as fragrâncias diversas me encantam de uma forma hipnotizante, escolher a roupa que quase sempre enchem a superfície da cama, saem do guarda–roupa e se deitam na cama depois de uma incessante sessão de experimentos, juntamente com os sapatos.
Essa é a figuração matinal de uma pessoa que precisa melhorar sua aparência pois nem todas as mulheres nasceram Giseles.
Você nem mesmo terá a pia branca pequena fixada na parede sem armário embaixo dela e um pedaço de sabonete conjugado rosa com azul, numa tentativa de reutilização, geralmente dá certo, você também não verá a mim no espelho escovando os dentes e sorrindo e pensando justamente em todas essas descrições e nem como os cabelos deverão ficar a esta manhã.
Habitualmente as coisas se apresentam à minha frente como páginas de um livro, causam comichão e inquietação, então elas precisam ser lapidadas e acomodadas nestas folhas brancas, talvez alguém se interesse em ler e ou publicar n’algum jornal. A caneta? Esta deve possuir uma escrita muito fina, do contrário, ofuscará toda a inspiração e por fim toda a descritiva deverá ir para o mundo virtual do Word.
Então de posse das minhas ações corriqueiras, depois de desligar todos os aparelhos das tomadas, verificar se as janelas estão fechadas, ponho a chave na porta, dou as voltas necessárias, faço o mesmo no portão, olho para os dois lados da rua e vou a pé, mochila nas costas, arrumada o suficiente para um dia inteiro de trabalho, dinheiro da passagem na mão, facilitando a entrada no ônibus, óculos escuros e olhar no céu que é azul, poderia ser amarelo, vermelho, preto ou branco, mas é azul.
Este pensamento da cor do céu me ocorreu ontem quando o olhei e ele se apresentou sorrindo a mim, se insinuando como uma joia gratuita a qual todo o ser vivente tem direito, sem pagar imposto algum e hoje por conta dele é que estou aqui descrevendo o meu dia calmo e suave, por causa dele. E por causa dele e todas as nuances naturais deste planeta que me pertence, que me contém é que escrevo e dou o passo a passo.
Toda esta crônica foi escrita em 2017 para um jornal, ele está fora do ar, achei interessante compartilhar aqui no espaço do Blog, desejando que você procure pelo seu céu azul e sinta na mesma proporção emoções de libertação da alma. Viva, apenas viva.
Tenham todos vocês um início de semana memorável!
Imagem extraída do Pixabay                                                                                      
Indicação de filme: O Mistério do Relógio na Parede
Por: Anna Costa.


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Vamos falar ou cantar? – Anna Costa

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com