quarta-feira, 14 de agosto de 2019

[4ª Poética] Quem me dera ser real - Eliézer Viajante do tempo

Quem me dera ser real





Se apenas fosse verdade
Que sou especial
Eu não ouviria
Apenas como a primeira fase da frase
Só haveria essa parte

Você é especial
E vem qualquer outra coisa
Desculpa para não ficarem perto
Algo para me afastarem

Se fosse verdade
Eu não seria o que sou hoje
Se fosse verdade
Eu sairia bem menos magoado

Se tivesse sinceridade
Eu teria ao menos uma vez
Sido realmente acolhido
Estaria sendo amado
Talvez meus versos
Estariam sendo expostos
E não guardados

Se tivesse alguma verdade
Eu jamais teria sido trocado
Eu não precisaria ouvir
Eu saberia sentir
Pois a demonstração
Seria bem maior

Eu não encontro o significado
Nesta palavra
Se eu a ouço
Já espero a contra parte
O contra peso
Que apagará o significado

Se fosse real
Eu não estaria aqui
Escondido atrás de páginas
E páginas
Mostrando o que sinto
Por não conseguir dizer
Ou por nem ter a chance
De falar

Se eu fosse o que diziam
Antes de demonstrar o oposto
Seria a mais bela verdade

Eliézer Viajante do Tempo
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Uma porta entreaberta - Elísio Mattos

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com