quinta-feira, 16 de março de 2017

[Biografias Reais] Lygia Fagundes Telles

A luta em prol da escrita


Já que é preciso aceitar a vida, que seja então corajosamente.
(Lygia Fagundes Telles)

Lygia Fagundes Telles, nascida em São Paulo (19 de abril de 1923) contista e romancista. galardoada com o Prêmio Camões em 2005.
É membro da Academia Paulista de Letras desde 1982, da Academia Brasileira de Letras desde 1985 e da Academia das Ciências de Lisboa desde 1987.

Lygia figura entre nossos melhores escritores da Literatura brasileira. Sua estreia oficial no universo das letras aconteceu no ano de 1944, com a publicação do livro de contos Praia Viva. Sempre presente nas rodas literárias e atenta aos acontecimentos políticos, Lygia foi uma mulher de vanguarda, representando o perfil feminino das décadas de 50 e 60. Cronologicamente, foi ligada à geração de 45, ao lado de nomes como Rubem Braga, Dalton Trevisan, Carlos Heitor Cony e Clarice Lispector.

Lygia sempre considerou a escrita como um luta, em uma de suas entrevistas diz:

"Defino o ato de escrever como uma luta.
Uma luta que pode ser vã,como disse o poeta, mas que lhe toma a manhã.
E a tarde. Até a noite. Luta requer paciência. Humildade. Humor.
Isso requer amor- o amor e a piedade que o escritor deve ter no coração."

Ficou conhecida em todo o mundo com os livros "Ciranda de Pedra" e "As Meninas". Com mais de 90 anos de história, tenho certeza que há algumas curiosidades sobre a autora que você provavelmente não sabe.

1. Escritora mirim!
Lygia começou escrevendo quando ainda era criança, e aos oito anos já anotava no seu bloco de notas os contos que saiam da sua imaginação e que partilharia nas reuniões familiares. Os seus primeiros contos, Porão e Sobrado, foram publicados quando a autora tinha apenas 15 anos, com a ajuda de seu pai, seu maior apoiante.

2. Literatura e adaptação para o cinema
Lygia não se consagrou apenas na literatura. A autora também fez a adaptação para o cinema de Dom Casmurro, romance de Machado de Assis, numa produção do cineasta Paulo César Saraceni. O filme tem o nome de Capitu, nome da personagem principal da trama.

3. Reconhecida internacionalmente
Acha que Lygia Fagundes Telles é apenas reconhecida no Brasil? Então vai ficar surpreso quando souber que, além de ter vencido o prêmio Jabuti em 1966, 1974 e 2001, a autora foi também galardoada na França com o Grande Prêmio Internacional Feminino para Estrangeiros, pelo seu livro de contos Antes do Baile e ganhou o prêmio Camões em 2005, o prêmio mais importante da literatura portuguesa. Em 2016 foi indicada para o Prêmio Nobel da Literatura pela União Brasileira de Escritores (UBE), que apresentou o seu nome à Academia Sueca, tendo sido eleita por unanimidade pelos seus membros. Suas obras estão ainda presentes em vários países, tendo sido traduzidas para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, polonês, sueco e tcheco.

4. Primeira autora brasileira indicada para o Nobel
Com a indicação em 2016 para o prêmio Nobel da Literatura, aos 92 anos Lygia Fagundes Telles é a primeira mulher brasileira a ser indicada para este famoso prêmio internacional.

5. Apelo aos jovens leitores
Apesar dos seus 92 anos Lygia continua a participar nas reuniões da Academia Paulista de Letras para não perder o contato com outros escritores e acadêmicos. Numa das suas últimas homenagens públicas, a autora declarou que nas suas obras “queria mostrar que a mulher, no Brasil, não precisava ser rainha do lar. Queria dizer que ela pode segurar a tocha da coragem e do desejo de mostrar a igualdade entre homens e mulheres.”

Ao longo da vida foram: 4 romances, 21 livros contos, 7 antologias e dezenas de traduções e adaptações. com seu talento conquistou (em vida) inúmeros prêmios, os principais são:



Prêmios
  • Prêmio do Instituto Nacional do Livro (1958)
  • Prêmio Guimarães Rosa (1972)
  • Prêmio Coelho Neto, da Academia Brasileira de Letras (1973)
  • Prêmio Pedro Nava, de Melhor Livro do Ano (1989)
  • Melhor livro de contos, Biblioteca Nacional
  • Prêmio APLUB de Literatura
  • Prêmio Bunge (2005)
  • Prêmio Jabuti
  • Prêmio Camões (2005)
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Áudio descrição

Áudio descrição
Nós do faroeste, sempre usamos da literatura para falar sobre diversos assuntos, Principalmente sobre causas em que acreditamos, e isso é o maravilhoso da literatura e da arte não é? Ter a liberdade de se expressar. E tão importante como é falar sobre, é ter pessoas para ler e ver o trabalho que fazemos. E mais importante ainda, é permitir que todos tenham total acesso. Por isso, começamos um trabalho em nosso blog. Agora, todas as nossas publicações que possuem imagem, tem em sua legenda a Hashtag PraTodosVerem. Que é um recurso de acessibilidade que dá, a pessoas com deficiência visual acesso total aquilo que publicamos, tanto texto, como imagem, que nós sabemos que é algo que complementa, e muito, aquilo que queremos contar e mostrar. Sempre, depois da Hashtag, irá se seguir uma breve descrição da imagem, descrevendo os elementos principais que a compõem. Este trabalho é uma parceria com a áudiodescritora Raquel Carissime, e os co roteiristas Eduardo Collette e Juliana Santos. O amanhã com ainda mais historias é para todos.

Seguidores

Instagram

Parceiro

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

#PraTodosVerem A capa tem fundo amarelo claro, à esquerda, o laço amarelo, símbolo da Campanha. Em cima no centro, em letras pretas: "Eternize suas emoções em versos de vida... Alegres ou tristes eles importam para nós!", abaixo a sombra de uma mão voltada para cima. E a direita, a logo do Blog.

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

{Versos de vida} Vestida de flor - Mariane Helena

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com