domingo, 29 de outubro de 2017

[Súmula de Domingo] As Tramas da Vida – Ana Cristina da Costa

Às vezes nos engendramos em caminhos muitas vezes não entendidos e nos deparamos com uma pedrinha no sapato, aquela que nos incomoda durante a caminhada, ela é miudinha, mas rebola no interior do sapato e nos impede de andarmos com tranquilidade.

Não sabemos nada absolutamente sobre o passo adiante, mas podemos redesenhar a trajetória, repensar a atitude, sentar e com muito cuidado e paciência descalçar-nos e devolver a pedra ao solo. Neste exato momento há uma pausa no relógio, algo em nossas vidas desacelera e então se harmoniza novamente no minuto seguinte, porque se tivesse seguido em frente apesar de todo o desconforto, seriam outras histórias.

Um emaranhado de fios tecem tudo à volta, nos conectamos a pessoas e acontecimentos vários, e nem sempre nos tornamos o tapete esperado, é preciso refazer os nós, as tramas, é preciso cantar as cores para que na exaustão a recompensa seja o tilintar do ouro na sacola.

Em os Fios da Fortuna livro de Anita Amirrezvani, ela nos ensina que apesar de não percebermos a saída, ela está lá, nos aguardando de portas abertas, basta que cruzemos os portais um a um, pacientemente, da mesma maneira como é tecer uma obra prima.

Assinemos, pois nossas próprias histórias tal como a rubrica na obra prima, não nos deixemos cair em contos da carochinha, nem em teias perfeitas de engendramento, porque somos os nossos próprios heróis, somos o de alguém, o importante é que estamos no mesmo desenho em harmonia perfeita demonstrando os poderes de cada um.

Teço a cada dia uma linha do meu destino, às vezes esqueço-me das cores, noutras exagero na alegria, mas aos poucos sei que cresce algo que não consigo entender ainda, não tenho o discernimento e a desenvoltura dos mestres, mas vou tentando aqui e acolá, acertar.

Lá se vai mais um ano, lá se vão as comemorações e lá se vão as benditas esperanças num mundo melhor e eu as tenho tanto quanto a certeza de que respiro, mudo minha vida a cada instante e para que ele não faça muitas pausas, eu ando, com pedras no sapato, espinhos nos dedos, areia nos olhos, mas ando assim mesmo porque se eu parar serei engolida pelos nós da trama.

Queremos eu e você que as coisas entrem nos eixos e que ao abrirmos os olhos ouçamos apenas o regozijar dos pássaros anunciando o paraíso, não esperemos que Steven Spielberg esteja certo quando nos apresentou cenários catastróficos, cuidemos de nossas casas, as do interior e as de fora, no final sentaremos todos em torno de um lauto banquete porque a encomenda fora bem promissora.

Ana Cristina da Costa
Imagem extraída do Pinterest.
Indicações de filmes:
O Menino de Ouro - https://www.youtube.com/watch?v=LT0knbnU9XA
A Leoa – trailer – o filme pode ser assistido no Netflix https://www.youtube.com/watch?v=hxDbHX2NrOE





Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Para dizer que te amo - Daniel Souza

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com