domingo, 18 de fevereiro de 2018

[Súmula de Domingo] Três Palavras – Ana Cristina da Costa


Essa fama nos persegue até hoje, “as mulheres falam mais que os homens”; há alguns indícios de que proteínas subsistam em maior quantidade em uma parte do cérebro feminino e em menor quantidade no masculino. Outras tantas pesquisas, com gravações de conversas em grupos separados, certificam às mulheres como tagarelas.

Segundo a neuropsiquiatra L. Brizendine a mulher fala 20 mil palavras por dia e o homem 7 mil, no livro “O cérebro feminino” https://drauziovarella.com.br/drauzio/artigos/tagarelice-feminina/ segundo Dráuzio Varella (renomado médico brasileiro) não há base científica para esta afirmação.

Mas a minha afirmação é de que tudo não passa de OBSERVAÇÃO, durante toda a existência feminina, o corpo envoltório, acolhedor do ser humano, o sexo feminino, por ter esta característica de abrigar durante meses uma nova vida, desenvolve por ela em sua maioria esmagadora, salvo os casos doentios de rejeições, um amor incondicional. Este amor que é a mola propulsora até o fim de seus dias, faz com que ela, a mãe, pelo simples fato de sê-la, zele mais pela sua cria e fale muito mais com ela do que qualquer outra pessoa na face da terra, dando-lhes instruções de como tudo deve ser.

Os homens deixando esta parte “chata” para as mulheres retraem-se da função então acabam afogando as palavras em copos de cervejas e ou em gargalhos com os amigos. Só não conseguimos contabilizar o quanto falam quando estão reunidos, sobre mulheres e futebol, no mais são apenas afirmações fálicas. As mulheres quando se juntam falam sobre tudo, não só de homens e maquiagens, elas dão a volta ao mundo em meia hora de conversa. Calma este não é um discurso machista e ou feminista, é uma observação de uma vida inteira, claro que me baseio na própria experiência e existência e esta não poderia ficar de fora.

Dentre todas as palavras e frases ditas durante a vida algumas se destacam e tornam-se vitais nos seu sentido literal, o “Eu te amo” confere o combustível primordial para que o corpo tome impulso. Acho que este termo dito de tantas formas, em linguagens adversas, aciona válvulas no cérebro fazendo com que as 20 ou 7 mil palavras tornem-se insignificantes.

Então, quando todas elas perdem sentido, faz-se do silêncio o único companheiro. Foi o que aconteceu com o personagem do filme Atos de Vingança com Antônio Banderas. Ele fez do silêncio o seu norteador, o seu tratado. Ele falava em demasia e poucas vezes “Eu te amo”, foi então que em sua observação e pesquisa sobre o filosofia de Marco Aurélio (Estoicista) absteve-se de todas elas, mas essas três “eu te amo”, ele carregou até o fim em seu coração.

Essas três palavras mágicas: “Eu te amo”, comecemos hoje a introduzir este sentimento em nós, e em sua companhia, contabilizemos o tempo, o de brincar, o de ler para alguém, o de ensinar a alguém, o de conversar com alguém, o de dar as mãos apenas, num passeio breve até o banco da praça, sem pressa em todas as ações.

Façamos delas o norte, pois breve é a vida, pense nisso...

Por: Ana Cristina da Costa
Indicação de filmes: Assassinos Múltiplos – tradução Netflix para, Atos de Vingança.
Trailler -https://www.youtube.com/watch?v=ihUlTYPt8QY

Imagem extraída do Google.

Pratica cada um dos teus atos como se fosse o último da tua vida.
Marco Aurélio



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Vamos falar ou cantar? – Anna Costa

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com