domingo, 15 de julho de 2018

[Súmula de Domingo] O Que Vale a Pena Lembrar? – Ana Cristina da Costa

De vez em quando nos deparamos no modo estátua, com os olhos fixos num ponto ou no nada. Alguns dizem que é o descanso do cérebro, outros que é “buscando lembranças”, mas seja lá qual for o nome do fenômeno ele é bem conhecido de todos nós e causa questionamentos.

E se for mesmo uma forma de rebobinar a máquina pensante trazendo as lembranças mais remotas para suas gavetinhas a fim de organizá-las? Se a resposta é positiva, então vale a pena ficar ali por um bom tempo.

Você tem fatos em na sua vida que realmente gostaria de lembrar e lembrar e repetidas vezes lembrar-se de tão bons que foram? Aqueles que no instante vivido não pensava serem os melhores de sua vida e que numa determinada fase você os queria de volta, como um elixir, dando ânimo e vigor à sua máquina velha e cansada? O que vale a pena lembrar?

Viagens se foram de férias, se deu tudo certo, se conheceu um lugar, pessoas, uma pessoa, experimentou comidas, se foram com a família, desacompanhado ou com alguém.

Se num almoço na casa de amigos, num restaurante, numa festa de aniversário, num vernissage, se brincando com seu cachorro, se num cinema sentou num lugar errado acabou saindo e perdido também o seu e toda essa troca gerou um diálogo, amabilidades e uma amizade futura?

O que vale realmente extrair, deixar vir à tona? Sabe quando sentimos um cheiro e imediatamente o cérebro nos remete ao instante do tempo já vivido e aí nos vimos exatamente na cena? Eu adoro isso, são coisas que fogem ao nosso controle, mas que causam um conforto, sim é como elixir, pois nos dizem que estamos vivos e temos um passado.

Estive revendo vídeos, fotos e reciclando as pastas com documentos, na realidade a intenção era esvaziar o drive e criar espaço no armário. À medida em eles se apresentavam à mim eu buscava nas caixinhas aqueles dias e aí me perdi no foco acabei demorando mais do que deveria. Rever os arquivos me fez rir e chorar, mas principalmente trouxe a mim uma sensação de ternura.

Envelheci e vejo que não há muito a se fazer daqui para frente, não é um discurso negativo, é que algumas coisas requerem muita energia aquela com a qual nascemos e aos poucos se esvaem então pensando nisso inconscientemente o cérebro me remeteu à organização, ele não quer morrer tão cedo.

Tenho muitas coisas escritas espalhadas pelos cantos do mundo, ainda não as organizei e quanto mais tempo deixar menos disposição terei. Sei da história de cada verso e palavra talvez por isso mesmo ainda protelo certas arrumações, mas tenho certeza muitas delas são de um tempo gostoso, ele nunca mais será vivido, mas posso tê-los aos meus olhos para todo o sempre.

Hoje escolha organizar, abrir arquivos antigos, degustar os mínimos momentos em frente ao seu passado e se puder remodele o presente para que o futuro receba as grandes obras.

Um excelente início de semana a todos!
Por: Ana Cristina da Costa
Imagem extraída do Google.
Indicação de filme: TAU - NETIFLIX













Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Preta raiz - Mariane Helena

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com