domingo, 3 de março de 2019

[Súmula de Domingo] É Domingo de Carnaval! – Ana Cristina da Costa



É Carnaval e as avenidas estão tomadas de gente a pé misturadas aos carros, é proibido buzinar para não espantar a alegria fantasiosa das pessoas festeiras. É proibido igualmente ficar alheio a toda essa fartura carnal. É proibido não querer. Sorria mesmo que o sorriso tenha prazo de validade, mesmo que lá no fundo a sua festa seja superficial, momentânea, não tenha medo da vida, ela é assim, poucos são os momentos ditos reais, na maioria das vezes são as efemeridades que nos conferem a felicidade.
São dias de festa, quatro ou mais, depende da região, quando a cara feia é somente a estampa na máscara, é humanamente proibido o azedume ou a falta de espírito carnavalesco.
É Carnaval, poucas pessoas estão dispostas a fugir das festividades da época e em contrapartida investir em intelectualidade, aproveitando esse tempo também para estudar, para colocar as coisas em ordem.  Ler aquele livro esquecido num canto qualquer, marcado com promessas de um dia, é uma ótima pedida. Organizar as gavetas separando o que não mais se quer, pensando no outro que mal sabe o que é Carnaval, aguça o espirito de solidariedade, você se torna uma pessoa melhor.
 Para a maioria, fala mais alto o apelo da carne, a diversão ou o afundamento em baldes de cachaça, pois a inocente bebida resolverá todos os problemas criados ao longo do ano, fosse qual fossem eles e suas naturezas. São elas, as bebidas, também o elixir que impulsionam os mecanismos adormecidos no ser humano e que levam toda a culpa nos dias festivos. Os exageros tornam-se prática. Por mais que as campanhas de prevenção contra doenças estejam à disposição, quando se quer fugir das convenções, chutamos o balde, o pau da barraca e mergulhamos no insano. Depois, é depois.
Na festa nem sempre há os desastrosos relacionamentos, alguns até tornam-se eternos, fazem nascer naquelas pessoas o melhor que elas possuem. O amor que era apenas promessa, torna-se o carro alegórico da eternidade.
Que bom existem os refúgios, os retiros, os iguais que tão somente querem e permitem-se o aparte. Os seres refugiados deleitam-se em cenários deslumbrantes que o mundo os oferece. Eles vão sozinhos, em bando, em família, carregam barracas, comida, crianças e a promessa de dias saudáveis.
O Brasil é um país cujas opções paradisíacas não deixam a desejar, sua fauna e flora ainda deslumbram olhos alheios às nossas terras e embora muitos ainda pensem que somos meros selvagens e somos quando nos colocamos mediante o quadro das belezas, nos comportamos civilizadamente quais crianças mediante cachoeiras, descampados e brincamos igualmente, como se o tempo retrocedesse.
Por essas iguarias naturais, pelo poder de estarmos nesses lugares é que amamos o Carnaval, também.
Se você é um adepto da festa chamada Carnaval, brinque, solte os seus bichos, liberte-os da prisão que é a rotina, grite-os ao mundo, pois outra só o ano que vem.
Um forte abraço a todos, um bom Carnaval!
Por: Ana Cristina da Costa.
Imagem extraída do Pixabay
 Sugestão de música para relaxar: https://www.youtube.com/watch?v=D4BZshNWJMc



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Passo a Passo – Anna Costa

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com