sexta-feira, 7 de junho de 2019

[Entre nó(s)] Ninguém nunca disse que seria fácil - Davyd Vinicius



Ninguém nunca disse que seria fácil...
 Tudo que eu "conquistei" até hoje, é fruto de muito trabalho e persistência, seja como escritor, blogueiro ou na minha vida pessoal. E quando eu digo que "conquistei", não quero dizer que já "possuo" aquilo que buscava, mas sim que continuo em um processo de "conquista".
 Pra quem não sabe, eu sou blogueiro há 3 anos e escritor há 5, e nem de longe estou perto de ter conquistado aquilo que todo blogueiro ou todo escritor precisa para se tornar "pleno" em seu trabalho.
Quando digo que "conquistei", me refiro a tudo o que consegui ao longo desses anos. Graças a Deus, hoje posso dizer que meu "trabalho" não é o mesmo de quando comecei, pois graças a meu "esforço", "conquistei" diversas coisas.
 Hoje meu blog tem uma média de 6 á 10 mil acessos por mês, o que é pouco comparado com outros. Mas veja só, eu levei cerca de 3 anos para "conquistar" um publico que hoje o reconhece.
 Como escritor, eu levei 5 anos para ter um livro pronto e mesmo assim "trabalhei" nele por volta de 2 anos. Tive também meus poemas publicados por diversas revistas nacionais e internacionais, sites e blogs, além de ter me tornado membro da Academia Virtual de Letras. Nada disso foi fácil, eu passei muito tempo divulgando e me fazendo "visível" e mesmo assim, muita gente nem se importava.
 Tudo isso foi um processo, um "trabalho de formiguinha" que continua até hoje e que eu acho que nunca vai parar.
 Por inúmeras vezes eu quis e ainda quero desistir, é tão mais fácil abrir mão das coisas não é? E eu não penso só em desistir quando as coisas não estão indo tão bem, há vezes que tudo está maravilhosamente bem, tudo dando certo, mas a carga de trabalho acaba sendo tão intensa que eu acabo pensando "Seria tão melhor se eu não tivesse nada para fazer", e durante alguns dias pode até ser que seja, mas e depois? Essas coisas são a minha vida, são aquilo que eu amo fazer, o que me dá prazer mesmo com seus altos e baixos.
 É aí que respondo minha pergunta "É tão mais fácil desistir das coisas, não é?" Não! Esse "trabalho" depende de mim e eu "dependo" dele, se eu simplesmente abrisse mão dele, eu deixaria de ser eu... E tudo o que foi "conquistado" até aqui? E todo o "esforço"?
 Claro, se eu seguir em frente nada vai mudar, ainda terão altos e baixos e também os dias em que eu vou querer desistir, mas a cada dia eu poderei "conquistar" mais e mais frutos desse trabalho. E quando nos tornamos "plenos"?  Eu realmente não sei, mas acredito que quando passamos a entender que desistir não é a melhor solução. Lembre-se "A persistência nos leva a perfeição"!

 (Davyd Vinicius - 2017)

Entre nó(s), para desatarmos as angústias dos nossos corações, revelarmos o mais intimo de nossos seres. Aprendermos a fazer morada em nossos corpos e lidarmos com aquilo que chamamos de sentimento, acessarmos o canto mais profundo e escuro de nossos nó(s).
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[Súmula de Domingo] Sobre a Cultura – Anna Costa

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com