domingo, 18 de agosto de 2019

[Súmula de Domingo] Sobre a Cultura – Anna Costa


Os gatilhos disparados no cérebro quando você vê algo que lhe agrada é como uma explosão vulcânica. O objeto do desejo à sua frente traz aos que a veem, lembranças, sentimentos de amor, saudades e quiçá de criatividade, que até então não se sabia possuir, nasce um promissor artista.
Tenho escutado de diversos professores de diferentes segmentos artísticos e até mesmo de outros que não o são que podemos aprender qualquer coisa, bastando apenas técnicas aliadas a exaustivos exercícios, estes suprem o “dom”, ou seja, ser artista não é ter dom é ter técnica.
Eu acredito que aliado a tudo isso, primeiramente o ser deve esboçar um mínimo de gosto por toda a arte apresentada, do contrário a ele todo o esforço não passará de um mero treinamento.
Sim podemos aprender qualquer coisa, mas vive-las em profundidade é para poucos. Entregar-se a um personagem, oferecer a ele o seu corpo e transforma-se nele é algo sim que requer muita prática e muito mais determinação do contrário à primeira dor, abandona-se todo o enredo.
Minha jornada na representação está apenas começando, embora eu já passe dos 50 anos, mas posso dizer que essa entrega trouxe a mim uma gama de desconstruções e outras reformas. Posso dizer que a arte é um dos instrumentos mais belos tocando as notas perfeitas. A arte cênica nos remete a tantos questionamentos que fica impossível não admirá-la e ou amá-la. Eu amo àquela que me faz sofrer! Sou uma eterna refém desta adorável algoz.
Sou uma devoradora de artes manuais, embebi de muitas técnicas, aja vista a década de 70 foi uma das mais promissoras e inventivas. Então quando falo de arte envolvo e permeio pelos seus segmentos, falo das artes visuais, da representativa, da escrita, da culinária, enfim, fazer arte é desenvolver e sair do eixo para ser outra coisa é inventar-se.
Hoje se comemora o Dia Nacional da Revolução Cultural, movimento político que se deu na China. Um acontecimento histórico que disseminou quase que uma população inteira e pôs à queima obras de artes, livros e monumentos, que exterminou pessoas cultas, crianças e anciãos de forma bestial e desgovernada. Jovens foram usados e em suas mãos foram postas armas, aos seus cérebros foram dado ideologias tortas, eles já contaminados e com toda a vitalidade que às idades compete, combateram todo o pensamento contrário. Foi uma carnificina. Tudo isso pelo querer de um ditador que queria suas ideias aceitas.
Passamos por isso tantas e diversas vezes. A arte sempre foi o primeiro alvo de toda a guerra, isso porque através dela construímos um pensamento, por ela somos consumidos porque depois de todos nós ela permanece.
Mesmo que um número em grandes proporções de pessoas seja consumido pela ignorância, a semente da arte permanece no solo e em algum momento ela emerge dando frutos.
Por hoje apenas exaltarei os nomes dos imortais gênios da humanidade, por eles soltarei brados e tocarei trombeta, a eles minhas sinceras reverências.
“O Teatro foi a primeira invenção humana.” Augusto Boal.
Que Deus proteja os artistas!
Por: Anna Costa.
Imagem extraída do Pixabay
Indicação de filme: https://www.youtube.com/watch?v=7abLqIpNtck – Caçadores de Obras Primas.



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Instagram

Parceiro

QG dos Blogueiros

Facebook

Youtube

Blogs Brasil

Feature Post

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email

Postagem em destaque

[4ª Poética] Para dizer que te amo - Daniel Souza

Copyright © Faroeste Literário - Para um amanhã com ainda mais histórias | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com